15 de jul de 2017

Cristovam Buarque justifica traição aos trabalhadores

Cristovam Buarque
Cristovam Buarque justifica traição na votação da Reforma Trabalhista
Num texto confuso, em que começa na escravidão e passa pela revolução industrial, senador Cristovam Buarque tenta justificar voto a favor da Reforma Trabalhista do governo Temer. Projeto já foi sancionado pelo presidente sem nenhum veto

O Senado Federal aprovou na última terça-feira (11) o texto da Reforma Trabalhista do governo Temer que acaba com a CLT e ataca uma série de direitos dos trabalhadores brasileiros (saiba mais aqui).

O projeto passou no Senado com uma votação de 56 votos favoráveis e 26 contrários (veja como votou cada senador).

Um dos votos que provocou reações mais críticas na internet foi o de Cristovam Buarque (PPS). O senador foi cobrado por eleitores e simpatizantes por ter votado a favor da proposta — o que foi considerado uma traição, a julgar pela sua biografia.

Nas redes sociais, o parlamentar divulgou um texto confuso (leia abaixo) para justificar seu posicionamento e disse, ainda, que o fez porque Michel Temer garantiu que vetaria trechos polêmicos da proposta. Isto é, os pontos mais agressivos aos trabalhadores.

A Reforma Trabalhista acabou sancionada nesta quinta-feira (13) pelo presidente Michel Temer sem nenhum veto ao texto aprovado no Senado. Até o fechamento desta publicação, Cristovam Buarque ainda não comentou a ausência dos vetos com os quais contava.

Cristovam Buarque
Nosso país não tem obstáculos naturais ao seu progresso, como outros países: não é dividido em etnias, línguas, seitas; com o território desértico ou submetido a intempéries periódicas; tampouco somos uma destas minúsculas ilhas perdidas no oceano, distantes do resto do mundo. Apesar disto, não temos conseguido acompanhar o progresso dos países ricos, com elevado nível civilizatório, porque sempre nos recusamos a fazer as reformas que toda sociedade necessita para ajustar-se às transformações que ocorrem no mundo: fugimos do progresso como uma nação conservadora, presa ao passado. Criamos nossos próprios obstáculos que nos amarram. A principal causa disto tem sido a dominação das estruturas sociais pelas elites.

A falta de sentimento nacional e de compaixão de nossa elite nos fez manter o obstáculo do latifúndio e da escravidão, amarrando nosso progresso, enquanto os outros países entravam na revolução industrial, promovendo o trabalho livre, a educação das massas e o incentivo à criatividade tecnológica.

Foi preciso esperar o final do século XIX para abolirmos a escravidão, mesmo sem completar a educação: mantivemos nossas amarras por falta de oferta de educação pública e da necessária reforma agrária. Mantivemos amarrados o potencial do conhecimento e da terra distribuída. Quando a proposta da Lei Áurea chegou ao Parlamento, por meio de um governo conservador, o grande abolicionista Joaquim Nabuco apoiou essa reforma libertadora, manifestando sua posição de que ainda faltava muito para liberar as forças criativas do Brasil.

Ao longo do século XX demos saltos na produção, sem quebrar os obstáculos e as amarras, sem fazermos as reformas necessárias para liberar nosso potencial. Quando o governo Goulart tentou levar adiante as reformas, a elite reacionária derrubou sua presidência e implantou uma longa ditadura. O regime militar investiu em infraestrutura, criou leis de incentivo, ofereceu créditos, conseguiu fazer o Brasil crescer, mas não eliminou qualquer dos obstáculos que nos amarravam.

A democracia, apesar de 30 anos de governos social-democratas, não fez as reformas necessárias – nenhuma delas. Organizou as finanças públicas para logo depois arruiná-las; montou uma rede de proteção social, um sistema único de saúde, mas não derrubou os obstáculos, manteve o país amarrado. Foram governos de um partido intitulado social democrata e outro dos trabalhadores, ambos reacionários, que impediram a participação de nossa economia no mundo global.

Mas continuamos um país sem produtividade elevada, com reduzidíssima capacidade para a inovação, com um número estável ou crescente de cidadãos analfabetos, incapazes até de ler a palavra progresso escrita na bandeira, uma sociedade com a pobreza persistente que não reduz a concentração da renda, sem educação, imersa na violência e na corrupção. Esses são os obstáculos que nos amarram e nos condenam ao fracasso como país.

O mundo está inovando produtos industriais todos os dias e nós continuamos com uma economia baseada na mesma velha produção primária; mudaram as máquinas e as técnicas, mas continuam os mesmos produtos. Enquanto isso, nosso debate político continua preso a velhos temas e com as forças reacionárias contra a derrubada dos obstáculos, por interesses ou por preguiça.

O mundo está criando e usando automóveis sem motoristas e nós discutindo se aceitamos o uso de aplicativos para o sistema de taxi; muitos países já adotam sistemas flexíveis que permitem aos trabalhadores definirem os regimes de trabalho que melhor lhes convém, inclusive adotando o trabalho em casa, e nós querendo regular cada minuto de vida do trabalhador, até mesmo quanto tempo ele deve usar para almoçar. O Brasil precisa derrubar as amarras que impedem seu ingresso no mundo moderno.

As atuais propostas de reforma serão capazes de adaptar as relações trabalhistas minimamente e permitir com isto desamarrar o funcionamento da economia e assim merecem nosso apoio, mesmo sabendo que, devido ao rápido avanço tecnológico, não resistirão aos próximos 10 anos e precisarão de novas adaptações.
(…)

O presidente da República enviou ao Senado Federal, na pessoa de seu Líder, carta assumindo o compromisso de vetar questões apontadas pelo relator da reforma, senador Ricardo Ferraço e, concomitantemente a editar Medida Provisória contendo as modificações que forem negociadas entre os parlamentares, seu relator e o Líder do governo no Senado.

por Pragmatismo Político
Postar um comentário